Resumo: Poucos estudos investigaram a relação entre a capacidade das mulheres de sentir orgasmo durante a relação sexual vaginal e técnicas de estimulação específicas. Examinamos duas técnicas comuns durante a relação sexual vaginal com e sem estimulação clitoriana externa simultânea: (1) movimento do corpo, em particular movimentos de balanço para frente e para trás da pelve e do tronco; e (2) fricção precisa do clitóris com um corpo imobilizado.

A modelagem de equações estruturais foi usada para comparar os efeitos das duas técnicas de estimulação na frequência de orgasmo das mulheres (N = 1.239).

Como hipotetizado, a frequência do orgasmo durante a relação sexual vaginal com estimulação clitoriana simultânea foi positivamente associada com uma preferência por movimentos corporais durante a excitação.

O movimento corporal, em oposição à imobilização corporal, também foi associado a uma maior frequência de orgasmo durante a relação sexual vaginal sem estimulação clitoriana simultânea.

Concluímos que o movimento corporal está associado a mais orgasmos durante a relação sexual vaginal, enquanto a fricção precisa do clitóris com um corpo imobilizado não está associada a mais orgasmos.

Ensinar as mulheres a movimentar a pélvis e o tronco em um movimento oscilante para frente e para trás durante a relação sexual pode, portanto, facilitar o alcance do orgasmo, enquanto encorajá-las a autoestimular o clitóris pode ser menos útil se feito com um corpo imobilizado.

Link: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30358427/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.